Arquivo do blog

O Movimento Mobiliza UEG consiste num movimento unificado de professores, estudantes e funcionários técnico-administrativos da Universidade Estadual de Goiás, espontâneo, independente, não institucionalizado, não hierarquizado e que adota como estratégia de atuação a ação direta. Seu objetivo é intervir no processo de construção da UEG com a finalidade de torná-la, de fato, uma universidade pública, gratuita, autônoma e democrática, capaz de cumprir o seu papel enquanto instituição de educação superior, produtora e socializadora de conhecimentos que contribuam para o bem-estar da sociedade goiana, em particular, da sociedade brasileira, em geral, e, quiçá, de toda a humanidade, primando pela qualidade reconhecida social e academicamente.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Email MOBILIZA UEG

Translate

sábado, 24 de maio de 2014

Greve Geral na Rede Municipal de Educação em Goiânia


Assembleia geral dos trabalhadores da educação municipal de Goiânia

Professores, agentes educativos e funcionários da rede municipal de Goiânia em Assembleia Geral, realizada no último dia 22 de maio, deflagraram greve geral a partir de segunda-feira (26/05).  Menos de 7 meses após a última greve em 2013, a rede municipal entra em greve novamente, devido a alta precarização, a super lotação de alunos em salas de aula e aos baixos salários. Os acordos assinados pelo prefeito de Goiânia (Paulo Garcia - PT) ao final da greve de 2013, e mediados pelo Ministério Público, não foram cumpridos, pelo contrário,  o próprio prefeito ao baixar decreto de contenção de custos na prefeitura durante este mês de maio, fez com que os trabalhadores da educação municipal perdessem a progressão horizontal, progressão vertical e também o direito à licença prêmio, permanecendo todos estes itens suspensos em um prazo de no mínimo 60 dias. A assembleia realizada em frente a Secretaria Municipal de Educação contou com uma grande presença dos trabalhadores da educação municipal, onde o número de funcionários administrativos ultrapassou o esperado. A prefeitura de Goiânia (PT), assim como o governo estadual (PSDB) não pagam o piso salarial docente, as escolas permanecem sem infra-estrutura, muitos funcionários recebem menos de um salário mínimo no contra-cheque, várias escolas são construídas com placas de cimento, a maioria das escolas não possuem quadras cobertas e está ocorrendo atualmente (tanto na esfera estadual como municipal) um verdadeiro desmanche do plano de carreira docente, com a subtração de direitos conquistados e com a implantação das chamadas políticas de responsabilização (meritocracia).
Passeata após a assembleia geral pelas ruas da cidade


Os funcionários da limpeza e das cozinhas escolares reclamam da super precarização do trabalho (contingente de trabalhadores reduzidos, insalubridade, excesso de trabalho, adoecimentos e baixa remuneração), que afeta diretamente a qualidade da educação nas escolas de Goiânia.
A insatisfação dos trabalhadores é muito grande, a votação pela greve foi quase que unânime e a intenção é iniciar o movimento paredista a partir desta segunda-feira (26/05) visitando escolas e realizando manifestações em toda a cidade. Todo apoio à greve na educação pública municipal de Goiânia. A luta continua!

                        MOVIMENTO MOBILIZA UEG


Votação quase unânime pela greve

Professores da rede municipal em greve geral caminham em frente a UnU ESEFFEGO


Nenhum comentário:

Postar um comentário